quinta-feira, 25 de março de 2010

Ergonomia e Alzheimer - I

Introdução

A terceira idade, hoje, ocupa um espaço de grande importância dentro da sociedade mundial. Existem políticas, leis e espaços públicos e privados destinados a estudos relacionados a diversas áreas, como: médica, design, enfermagem etc. buscando contribuir na melhoria da qualidade de vida e adequação desses indivíduos na sociedade, com o intuito de encontrar soluções para os problemas individuais e coletivos emergentes nas áreas de saúde, educação e seguridade social. (NERI, 1997)

A crescente elevação da expectativa de vida acabou resultando em uma maior população de idosos surgindo doenças consideradas da terceira idade, conhecidas como demências senis, as quais nas últimas décadas vêm sendo investigadas e reconhecidas nos meios médico e científico. Dentre as principais demências, a Doença de Alzheimer é apontada como uma demência primária e progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos, que acomete preferencialmente as pessoas idosas afetando agressivamente a qualidade de vida de seus portadores.

Segundo Fortuna, 2005, o envelhecimento não é em si uma doença, mas implica uma crescente vulnerabilidade, motivada por causas genéticas, causas ambientais ou estilo de vida do indivíduo. O agravamento de doenças que tiveram início em fases anteriores da vida ou aquelas que são típicas da velhice caracteriza o envelhecimento patológico, que pode se manifestar de diversas formas e com diferentes graus de severidade. Os avanços da medicina, da farmacologia e da ergonomia, ajudam, hoje, no tratamento de várias doenças neurológicas típicas da velhice, entre as quais a demência de Alzheimer.

O objetivo deste estudo é analisar a Doença de Alzheimer e as contribuições que a Ergonomia pode promover, para a melhoria na qualidade de vida e resgate da dignidade do idoso acometido. A vantagem principal é a possibilidade do acesso da prática da ergonomia, dentro da análise, adaptação e tratamento adequado referente à iluminação, ruídos, odores, cores, materiais e mobiliário, que permitem um melhor manejo do idoso, assim contribuindo para a melhoria de sua qualidade de vida.


Autor: Andréa Saldanha. Monografia (parte) apresentada no Curso de Pós Graduação em Design de Interiores / UVA, junho 2007
Copyright Tânia Werneck

Nenhum comentário: