quinta-feira, 25 de junho de 2009

No dia 26/5, foi realizada no campus barra uma vivência de acessibilidade. Trata-se de um exercício que faz parte da disciplina Ergonomia do curso de design de interiores, ministrada pela profa. Beatriz Chimenthi.
Os alunos utilizam equipamentos como cadeiras de rodas e muletas, fazendo um percurso pela universidade.
Desta forma, eles vivenciam as dificuldades encontradas por pessoas portadoras de necessidades especiais.



domingo, 14 de junho de 2009

QUARTO DE BEBÊ



1- Introdução:
Pesquisamos em livros, revistas e na internet, artigos especializados em quartos de bebê.
Este trabalho tem como objetivo auxiliar na elaboração de projetos técnicos que contenham os princípios ergonômicos de praticidade, beleza, funcionalidade e principalmente segurança.

2- A Importância:
É neste cômodo que acontecerá a primeira fase da vida do bebê, que vai de zero a vinte e quatro meses.
Aqui ele vai desenvolver a percepção, a emoção, a criatividade, descansar, andar, brincar, falar, sonhar e descobrir o mundo.

3- As Necessidades:
O ambiente deve ser calmo, tranqüilo, estimulante, higiênico e seguro.
A organização vai determinar a ocupação prática e funcional do ambiente que ao mesmo tempo deve ser aconchegante, acolhedor, confortável e bonito.
Um quarto arejado, ensolarado e sem umidade contribui muito para manter a saúde estável bebê.
Devemos priorizar a ventilação natural, com troca diária do ar e evitar a ventilação artificial. Em algumas ocasiões será necessário o uso de condicionadores ou aquecedores de ar e a manutenção de seus dutos e filtros não deve ser negligenciada. A instalação deve ser prevista no projeto e o direcionamento do ar não deve atingir o bebê diretamente. Ventiladores de teto na posição de exaustão, também podem resfriar o ambiente A temperatura ideal do quarto é de 22 a 25 graus, com umidade relativa do ar de 40 % a 60 %.
A proteção parcial dos ruídos é importante para a tranqüilidade do ambiente assim como as janelas e portas externas devem ter telas de segurança.

4- Planejamento:

A) A escolha do cômodo:
Se possível devemos escolher um quarto com pouca incidência de ruídos e boa ventilação, voltado para o leste, pois receberá os raios solares da manhã.
Para espaços reduzidos devemos estabelecer prioridades. O bebê precisa ter um lugar só seu, mesmo que divida o quarto com outros familiares.

B) Os Revestimentos:
A facilidade com a manutenção, associada a beleza engrandecem o projeto.
A limpeza e a segurança são fundamentais para a escolha dos revestimentos.
Normalmente a colocação de manta sob o piso ( para alguns tipos), o uso de cortina e papel de parede, assim como a posição do cômodo, fornecem uma proteção parcial para ruídos. É muito raro a aplicação de tratamento acústico mais técnicos nos projetos para quartos de bebê. Em casos especiais como morar próximo de fontes de barulho intenso, pode ser confortável fazer um tratamento acústico nas paredes, com gesso acartonado e espaço interno livre (ar) ou com Isopor, espuma caixa de ovo ou até mesmo lã de rocha ou vidro. As janelas e portas também podem ser acústicas.

B1- Pisos.
VINIL :
Piso térmico, antialérgico, prático e simples de limpar. Pode ser colocado sobre carpetes, tacos, cimentos e outros revestimentos, sem danificá-los. Também podem ser aplicados nas paredes. Se aplicados sobre manta de feltro garantem maciez , amenizam o impacto de eventuais quedas do bebê e auxiliam na acústica. Disponíveis em diversas tonalidades. Têm sido os mais escolhidos, embora tenham a desvantagem de sujar, riscar e marcar com facilidade. Há modelos mais espessos e mais resistentes.

LAMINADOS:
Piso prático de instalar e limpar, risca pouco e é mais durável que o vinil, porém mais caro. A cola escolhida para a aplicação deve ser atóxica. Também são aplicados sobre manta de feltro, melhorando a acústica do ambiente.

RESINA:
Piso resistente, prático, livre de juntas, fácil de limpar é uma ótima opção porém é muito caro.

FRIOS ( Mármores, Porcelanatos, Cerâmicas e cimento)
Pisos duráveis com instalação e manutenção fáceis, além de diversos modelos, cores e preços disponíveis no mercado. Não são aconchegantes e são excessivamente frios o que em algumas regiões pode ser uma vantagem.


B2- Paredes:
Devemos evitar texturas que retenham poeira e aplicar colas atóxicas e tintas com pouco cheiro, lembrando que o ideal é preparar tudo com antecedência para eliminar odores dentro do quarto.

PINTURA:
São muitas as variedades de tipos, cores e preços disponíveis, porém a mais indicada é a acrílica que permite lavagem e fica com acabamento acetinado. Alguns fabricantes oferecem a versão com pouco cheiro. Pintura a mão livre ou com moldes também agradam bastante.

PAPEL:
Revestimento fácil e rápido para colocação com uma infinidade de padrões e texturas; alguns modelos são laváveis. Auxiliam na acústica do ambiente, são mais caros e podem ser danificados com facilidade.

FAIXAS e LAMBRIS:
Estes produtos também podem ter o uso associado a pintura ou papel de parede.
Os lambris, quando aplicados em forma de barra, na meia parte inferior do quarto, dão durabilidade, praticidade e beleza ao quarto e são fáceis de limpar.

B 3 – TETO:
Além da pintura tradicional é possível fazer pinturas especiais, aplicar adesivos de estrelas e outros astros, aplicar leds ou até mesmo trabalhar o teto com gesso e iluminação embutida. Evitar a incidência de luz forte principalmente sobre o berço. O uso de dimerisadores é muito adequado. As sancas acumulam poeira e devem ser evitadas .



Universidade Veiga de Almeida
Curso: Design de Interiores - 1º.período
Disciplina: Ergonomia – Prof. Beatriz Chimenthi
Grupo: Maria José Nunes Cardozo de Souza
Rosa Maria Ferreira
Marisa Ribeiro